23.2.11

CEARÁ - AINDA A HISTÓRIA



Na sequência da capitulação holandesa em Pernambuco, muitas tribos índigenas tomaram o partido holandês e fugiram para o Ceará. O Ceará foi, então, o centro de várias batalhas, conhecidas como a Guerra dos Bárbaros. Tribos Tupis, aliadas dos portugueses, vieram instalar-se em vilas fortemente militarizadas. Surgiram assim as primeiras cidades do Ceará: Aquiraz e Crato. Iniciou-se a aculturação e a catequisação. A Guerra dos Bárbaros foi especialmente sangrenta e longa. Demorou várias décadas e levou a que muitos habitantes de Aquiraz, a capital, fugissem para Fortaleza, que passa a capital em 1726. Em 1799 o Ceará torna-se independente de Pernambuco. Em 1812, com o governador Manuel Inácio Pina Freire, dá-se início à urbanização da capital, com projectos de Silva Paulet. No séc. XIX dão-se vários episódios rebeldes, de que se destaca a Rpública do Crato, em 1813, movimento de cunho republicano-liberal liderado pela família  cratense Alencar. Em 1825 o Ceará toma parte na Confederação do Equador, mas é reprimido pelas forças imperiais. Entre 1877 e 1879 dá-se uma das mais severas secas de há memória no Ceará, com uma emigração maciça para Fortaleza que recebe uma população quatro vezes superior á que tinha até então. Ainda antes da proclamação da República, o Ceará é pioneiro na abolição da escravatura. A 25 de Março de 1884, quatro anos antes da Lei Áurea, várias sociedades libertárias, lideradas pela maçonaria, conseguiram essa abolição. Destaca-se Francisco José do Nascimento, conhecido por o Dragão do Mar (VER FOTOS DA ZONA CULTUURAL), um jangadeiro que liderou os companheiros na recusa em transportar escravos para dentro e fora da província. Por isso, Ceará é a Terra da Luz.

2 comments:

Li said...

e a rua 25 de março aqui em São Paulo, tornou-se nacionalmente conhecida e popular.

expressodalinha said...

Não sabia.