10.3.11

IGREJA DA MEMÓRIA I

Naquele tempo a fidalguia ia a parodias fora de portas. As amantes tinham casa lá para Belém e Ajuda. D.José I, acabava de visitar a real concubina, uma dama da nobre família Távora, quando recebeu um balázio que, entrando pela carruagem, se alojou no real bícepe. Corria o ano de 1758. O primeiro ministro, o nosso conhecido Sebastião José de Carvalho, mais tarde Marquês de Pombal, aproveitou o incidente para cair com toda a raiva sobre a velha nobreza, mandando prender, torturar e executar grande parte da família Távora (que teve, inclusive, de mudar de nome). Esta igreja, erigida no Alto da Ajuda, no local do atentado (ou inventona), começou a ser erigida em 1760, em memória.

2 comments:

Teresa said...

Bem lembrado e bem contado.
Bjs

expressodalinha said...

Teresa: o curioso, é que não conhecia.