2.3.11

VIVA O POVO BRASILEIRO - VI


O caboco foi enforcado de madrugada. Mandaram-lhe um padre. Ele não objectou, ouvindo sem expressão as palavras em língua mágica. Seu último pensamento foi que talvez comesse aquele padre. Mas sabia que a carne dele não se comparava à dos holandeses. E, enquanto lhe passavam o laço no pescoço, chegou a imaginar como teria sido bom se, em vez daquela carne de segunda, tivessem vindo para cá desde o começo, e aqui ficado, holandeses superiores. Tão superiores que Sinique foi levado ao conselho de guerra que o condenou a ser decentemente fuzilado. Amarrado a um poste, onde foi manietado, disse as últimas palavras que ninguém entendeu, recebeu muitos balaços mal colocados e demorou um pouco a morrer. Quando a sua almazinha disparou em direcção ao poleiro, a do caboco Capiroba já lá estava, querendo nunca mais voltar aquele lugar tão louco onde vivera, mas inquetíssima por apenas saber que devia haver outros lugares e nunca ter aprendido onde eles ficavam.

Excertos de "Viva o Povo Brasileiro", de João Ubaldo Ribeiro.
Um livro que recomendo vivamente.

2 comments:

Eduardo P.L said...

Muito boa essa série! Pena que acabou!

expressodalinha said...

mas o livro continua...