30.5.11

CONSTÂNCIA - CAMÕES

No ano 100 a.C. a terra já existia. Terra de cheias. Um combate permanente com as águas do Tejo e do Zêzere. Os romanos deram-lhe o nome de Pugna Tagi (combate no Tejo). Um excelente nome para uma epopeia de Spilberg. No entanto, a tradução não saiu bem. Talvez tenha sido Gonçalo Mendes da Maia (o Lidador). Foi ele que conquistou o castelo aos mouros. Terá sido ele que lhe deu o nome medieval? Convenhamos, PUNHETE não era o ideal. Durante 400 anos os habitantes lutam pela mudança. Foi D. Maria II que, condoída, acedeu a mudar para Constância. Já antes aqui estivera Luís de Camões, o Poeta. Veio desterrado, cumprindo pena pela sua ligação com Catarina de Athayde. Aqui está imortalizado o amor adúltero de ambos. Um amor impetuoso, como as águas bravas do rio.

7 comments:

João Menéres said...

E as aves ( pombas ? ) não perdem pitada destes amores !
Até os selam...

byTONHO said...



Bela AAAAAAAAAAAAAAAAAAA...AAAAAAAAAA...AAA...ARTE!

SheHe!

:o)

Li Ferreira Nhan said...

hoje numa exposiçao li: "imagenes paganas se desnudam en sueños."
Cabia aqui.

(Sem dúvida Constância é um nome lindo)

myra said...

belo, lindo, viva o amor!!!!

expressodalinha said...

Viva.

Eduardo P.L said...

Gostei muito do ímpeto do bronze!

expressodalinha said...

Avassalador...