4.6.11

ELEIÇÕES À PORTA - X - ENTREVISTA COM O LÍDER DE QUALQUER COISA

Expresso: Dizem que o seu partido se coliga com qualquer coisa?
Qualquer Coisa: Francamente até me coligo com coisa nenhuma. Quero é salvar o país!
Expresso: Mas isso não é andar ao sabor do vento?
QQC: Repare, os portugueses precisam de qualquer coisa. Qualquer coisa que os anime. Nós somos o vento da mudança. Quem se coligar connosco ganha.
Expresso: Desculpe, mas não são vocês que se vão coligar com quem ganhar, seja quem fôr?
QQC: Errado. Só se coliga connosco quem tiver ganho. Não nos queremos coligar com quem perdeu. Será que fica claro?
Expresso: Ah, pois... claríssimo. Quer dizer que tanto faz?
QQC: Para nós tanto faz. Para o país é que não. Votar em nós é um descanso.
Expresso: Mas o que é o país?
QQC: O país é o vento.

10 comments:

João Menéres said...

Em DIA DE REFLEXÃO, não comento !

Maria de Fátima said...

eu gosto é das tiradas finais " o país é o vento" boa! e dos bonecos! gosto muito dos bonecos! é pasta de papel?

expressodalinha said...

Joâo: pois, boa reflexão. Bem precisamos.

expressodalinha said...

Mª de Fátima: a base é pasta de madeira. Mas imensa "tralha" associada.

Eduardo P.L said...

Que Portugal encontre bons VENTOS nas eleições! E que vença a aragem salvadora!

João Menéres said...

O vento tem que soprar de estibordo, EDUARDO !

expressodalinha said...

Les jeux sont faits.

João Menéres said...

A ver vamos...

daga said...

as metáforas, Jorge!!! "O país é o vento"...
se não fosse tão trágico, seria lindo (o texto)
beijo

expressodalinha said...

Graça: é não é? :))