20.11.11

CONVENTO DA ARRÁBIDA - INTERIORES



Existem 114 chaves em todo o Convento, cada porta tem sua chave. O papel do chaveiro na guarda e distribuição das chaves é fundamental. Advinhanha-mo-lo a abrir as portas à frente dos monges, a fechar, voltar com a comida. A comida eram raízes e frutos, pão e alguma protaína na forma de pernas de frango vindas do Convento Novo. A chuva caía no topo da Serra, alagando as grutas onde pernoitavam os monges  Um vida tão diferente. Tão despojada. Tão experimental. Tão iluminada. Homens magros, andrajosos e sem dentes. Homens desorbitados na descoberta do desconhecido. Visões de Fé e de Amor. Sabedoria que não se revela. Revelações que são pessoais.

4 comments:

João Menéres said...

E, mesmo nessas condições de vida, não se queixavam de nenhuma crise...

expressodalinha said...

Qt mais crise, mais meditação.

João Menéres said...

A tal me vou dedicar, então !

Anonymous said...

Assustam-me estas imagens fechadas. E de repente pensei num "óbvio". Claustrofia vem de claustro! Terrível...
Mena