6.4.12

COMENTÁRIOS QUE VALEM UM POST - AINDA A FÉ

BloggerFatyly said...

"O que andas aqui a fazer" é seres Tu MESMO, que para mim és um sábio através da escrita, tens a tua dose de Fé, porque o que aqui expões é questionares o teu "eu" e portanto ao não acreditares no que a maioria acredita é a tua própria Fé e portanto, meu amigo, acredita...que o inferno é aqui e aqui na terra que se pagam todas as facturas. Pensa que se chegaste à idade que chegaste por algum motivo foi e vive um dia de cada vez a 200% e vamos em frente que atrás vem gente.


Anonymous said...
Fé não tenho, nunca tive e nem sei se virei a ter ...
Religião idem, com a diferença que sei que não virei a tê-la, a não ser que me fuja, por completo, o juízo.
Viver sem fé é um viver mais pesado, mais difícil. Mas fé não se compra ali na loja da esquina. O que fazer?
Digo-lhe só mais uma coisa: tenho muito mais medo da velhice do que da morte. A morte, às vezes, pode ser um sossego. A velhice é um desassossego. A morte tudo apaga e é o fim. A velhice é um morrer devagarinho ...


Silvares said...

Não desanimes.

6 comments:

byTONHO said...



"Fede mais FÉ, ops!
Fé demais, fé de menos...!"

É muita fé!

:o)

expressodalinha said...

É tempo de fé :))

myra said...

" a velhice é um morrer devagarinho" sim, é assim...mas eqto , vamos pr'a frente, com fé ou sem ela...

Fatyly said...

Obrigado pelo destaque.

O que o(a) Anonymous diz também é uma grande verdade sentida, mas se pensarmos bem...desde que nascemos começa "o morrer devagarinho" e a questão da velhice é muito mais problemática para quem cuida do que para quem a vive. Assim para quem morre é o fim/sossego, mas para quem fica é um desassossego. Que o diga a minha mãe que é uma mulher de Fé, que já perdeu todos os irmãos, sobrinhos, o meu pai...mas a dor dilacerante e que nunca se apagou...a morte do meu irmão por vezes leva-a "ao desassossego" e a minha palavra chave é: mãe o João gostaria de a ver assim?". Bingo!

"Viver sem fé é um viver mais pesado, mais difícil" respeito esse teu sentir, mas como sabes se "viver com Fé" é diferente? Pelo que vês, pelo que ouves?
Ao ler o teu comentário vejo que questionas, que pensas na velhice e na morte...e tenho quase a certeza que deves ser uma pessoa lutadora perante os pedregulhos da vida e ao seres é porque acreditas em ti, no que vai dentro de ti...e isso é Fé:)

e como diz Silvares...não desanimemos:):)

Um beijo respeitador a todos e adorei o debate:)

expressodalinha said...

Eu não ando muito desassossegado (tantos ssss!). Mas a Páscoa requer um poouco de reflexão. Eu sou cultural e sociologicamente católico. Só não sou religioso!

Anonymous said...

Também quero agradecer este subir à ribalta e retribuo, com vénia, o aplauso.
Fatyly, sem dúvida que se morre, uns devagarinho, outros nem tanto, desde o momento em que se nasce. Porém, quando se é jovem, a velhice é algo tão distante .... até parece que só acontece com os outros...À medida que o tempo avança tornamo-nos mais conscientes e debruçamo-nos mais sobre o tema "fim". Ninguém o quer, mas todos o terão, obviamente. Com a sua proximidade às vezes nasce a fé de que não acabaremos em pó. Que haverá alguma coisa para além da linha de chegada. Quiçá um prémio pelo bom comportamento ou a total ausênca dele se andámos por caminhos menos toleráveis. Esse acreditar eu não tenho mas muito aprecio quem o tem pois, repito, deve viver sem tantos sobressaltos, muito mais facilmente e com menos sofrimento. A exemplo disto cito-lhe este facto: uma amiga minha perdeu, por doença, um filho com 6 anos de idade. Já se passaram 20 e ela acredita piamente que o reencontrará depois do seu "fim". Esse pensar dá-lhe alento para continuar...
Alonguei-me e peço desculpa por isso. Não tenho o dom a escrita e depois dá nisto ... Mas, sim, sou uma pessoa esperançosa quanto ao nosso mundo. Queria vê-lo sem guerras, sem fome, sem violência ... quanto ao "outro mundo" ... diz-me a intuição que não existe ...

Boa noite a todos.