21.12.12

BRINCADEIRAS




Houve tempos em que brincar era a nossa vida. Uma coisa natural. Tão natural como respirar. Os dias eram uma sequência interminável de brincadeiras. Um jogo permanente. Uma bola aos saltos. Loucas corridas de carrinhos. A cabra-cega. Berlindes nas três covinhas. O “mata” com o ringue bem apontado. O jogo da barra. Escondidas. Apanhada. 1,2,3, macaquinho chinês. Brincávamos sozinhos. Com amigos. Na escola. Em casa. Na rua. As refeições eram um intervalo insuportável entre duas brincadeiras. Dormíamos a sonhar com o dia seguinte. Acordávamos cedo com energia redobrada. E a vida recomeçava sempre a brincar.

Com a adolescência vieram alguns problemas. Ficámos um pouco mais sérios. Um pouco mais inseguros. Disseram-nos que a vida não era só brincadeira. Reprimimos o desejo. As alternativas eram crescer. Insistiam connosco que tínhamos de ser homens e um homem não brinca. Trata de coisas sérias. De coisas muito graves. O mundo dos adultos era uma coisa cinzenta. Uma coisa cinzenta que se aproximava com uma rapidez inexorável. Os adultos não brincam. Entretêm-se. Divertem-se. Passam o tempo.   
A verdade é que o tempo passou muito depressa. Ainda ontem usávamos bibes escolares, hoje ostentamos altivas gravatas. Saudades dessa infância dourada. Tempos que não voltam. Que ficaram aprisionados da sépia dos retratos familiares. Hoje, quando recordo esses tempos vejo uma sucessão de dias felizes. Sensações novas que nos marcavam o quotidiano. Um mundo em permanente descoberta. Hoje tenho pena de já não saber brincar. Algures no percurso, perdemos essa dimensão lúdica da vida. Substituímos brincadeira por sarcasmo. O jogo por cepticismo.

Saber recordar esses tempos é um dom. Pior do que não saber brincar é negar que brincámos. Esquecer deliberadamente que fomos crianças. Esquecer que andámos de triciclo. Que caímos e chorámos por causa do galo na cabeça. Que partimos a jarra da avó com um pontapé torto na bola. Que fechámos um primo na dispensa e deixámos a família em pânico. Que ficámos de castigo só porque queríamos brincar mais. Quem não recorda esses tempos não merece ser adulto. Porque, bem cá no fundo, um adulto é uma criança grande.

Texto que escrevi para introdução ao capítulo "Brincadeiras" das "Crónicas Maquistas". Livro a editar pelo meu amigo Luís Machado, em Macau.

12 comments:

Anonymous said...

A vida é uma brincadeira, meu caro.
Vez ou outra é brincadeira séria, que nos arranca, com bruteza, o sorriso do rosto e se não chega a levá-lo, fá-lo de desgosto. Perdemos no "abafa", mas não podemos perder nunca o jogo de manter viva - muito viva e forte - a criança que vive dentro de nós.

myra said...

lindissimo texto, mas sabe afinal de contas, seremos sempre crianças...somente a maneira de ser é diferente:)
bjos

Eduardo P.L said...

Muito bom texto. Assino: uma criança!

Anonymous said...

Há as crianças novas e as crianças velhas.

Eu sou uma criança velha e gosto.

Anonymous said...

Personally, as a male respondant; I've often imagined finding certain women that loved themselves doing pipe organ technique = while being in an Instant and Frequent orgasm-state of mind! The often Quick=Many69 sort - I'd label it! Are there any pros and cons on this type of exchange. I love to give my secure, privacy mail contact info to like-minded females of course. and its just satsisfactory, i love it more than fucking her.
[url=http://www.celinehandbagsol.co.uk/]Celine Handbags[/url]
He pays attention to her without being overbearing. If she requires some time alone, he graciously acquiesces. If she tells him about a special date that means something to her, he remembers it. Special attractions: For many visitors, history, theme parks, and shopping malls are bigger draws here than the scenery, but don't miss the views of the shoreline, water, and woods along the parkway. Jamestown, Yorktown, and Colonial Williamsburg each played a unique role in the history of the United States. One of Virginia's best scenic byways, Colonial Parkway: Jamestown to Williamsburg to Yorktown is located near Jamestown, VA.
[url=http://www.celinehandbagsol.co.uk/celine-luggage-c-4.html]Celine Luggage bags[/url]
As if all of this werent enough you even get a lifetime warranty on the frame and fork!! What are you waiting for? Get one quick before you kick yourself for thinking about this one too long! Right from the start you'll notice that the L-21 sets itself apart from other bikes. Forward pedal technology strategically places the crank several inches ahead of the usual placement, which will give you the comfort and the peace of mind of being able to place your feet safely on the ground while maintaining the proper leg extension, to fully benefit from the cycling experience. The L-21 is a joy to ride thanks to the proven and reliable drive train from Shimano.
[url=http://www.celinehandbagsol.co.uk/]http://www.celinehandbagsol.co.uk/[/url]
Custom greeting cards typically come out in two ways. Either they are done well and look like professional color greeting cards made by experts, or they are done badly, just like an amateur抯 card printing. If you want your greeting card printing to appear like a professional card, I suggest that you follow the seven basic rules of professional custom greeting card printing below.

daga said...

por isso eu vivo em "Never Never Land" e sou feliz :))

João Menéres said...

Antes de ir para o Colégio Particular, fazer a Primária, já devia mostrar uma tendência científica :: em casa, onde as primas ( muitas )passavam imensas tardes eu adorava brincar aos Médicos... Não foi essa a carreira escolhida ! Devo ter imaginado que me podia trazer sérios dissabores.
Mas essa brincadeira nunca a deixei.
Portanto, sou ainda uma criança !

Que bom !
Agradeço o ânimo que me deu, Jorge !

expressodalinha said...

Ainda bem que posso contribuir para a vossa felicidade. É a melhor prenda de Natal que posso ter (e não estou a fazer ironia).

Fatyly said...

A tua positividade espelhada neste texto é fabuloso e gostei muito!

Beijos e Feliz Natal desta que nunca deixou de ser criança!

expressodalinha said...

Obrigado e igualmente.

Li Ferreira Nhan said...

Sem dúvida alguma os melhores tempos, as melhores lembranças.
Que texto hem Jorge? Como é mesmo? Uma por dia? No caso "Um por dia"!
Continua! Faz bem a todos nós!
Bjs
Li, uma senhora criança.

expressodalinha said...

Obrigado Li.