15.5.13

O PAÍS DAS UVAS - FIALHO DE ALMEIDA


"Enquanto o Meio-Dia e o Sul colhem e pisam a pés de homem os cachos rúbidos e opados, no lagar aonde o mosto ferve, como num mistério dionisíaco, ao Norte, pelas encostas do Douro, sobranceiras ao rio, já se não oferece como outrora o espetáculo da verdura hilariando em vários tons esmeraldinos, e os esquisitos recortes das parras, dando a ilusão de pequenas faianças de esmalte maravilhoso.
Toda essa cultura panorâmica da vinha, deitada aos ombros de montes risonhamente acidentados; toda essa cultura expirou, súbito ferida nas exuberâncias da seiva: e em cada inverno as tristes populaças pedem esmola, lastimando a saudade dos dias fartos!"
 
In "O País das Uvas", de Fialho de Almeida, escritor nascido em Vila de Frades (Alentejo), em 1854.

4 comments:

Eduardo P.L. said...

Ainda bem que hoje se escreve um Portugues mais...digamos compreensivo...

expressodalinha said...

Parece linearmente compreensível sem grande exegese que não esteja na hermenêutica da uva :))

Fatyly said...

Sempre actual...sempre actual!

Li Ferreira Nhan said...

maravilhoso! a imagem e o texto!