24.8.13

TERRAS DE XISTO

A Fernanda insiste em recuperar a casa dos avós que tiveram a infeliz ideia de nascer no centro geodésico de Portugal, no meio de pinhais em permanente incêndio, terras de xisto sempre a descer e a subir, um calor de morrer, sem praia, sem mar, moscas pegajosas e mosquitos desvairados por sangue novo. Estamos no Casal de Sant'Ana, algures entre a Sertã e Vila de Rei. Terra de maranhos e buxo, aqui a sopa de peixe tem achegãs e truta, num surpreendente caldo de abóbora com tomate. As casas caiem na proporção do abandono a que estão votadas. Quem as recupera merece uma medalha e, se possível, merece ganhar o euromilhões. Os empreiteiros são gordos e de perna curta. Fazem-se esperar e às vezes não chegam a vir. Três dias que passaram depressa, entre projectos e limpezas, na procura de uma piscina redentora que nos refresque a alma.

9 comments:

João Menéres said...

Na minha opinião, a Fernanda está cheia de razão !
Custe o que custar, o restauro deve prosseguir !
Quem sabe se não me convidam um dia...

LOL

daga said...

deve ser realmente difícil recuperar estas casas, mas vale a pena tentar! o impossível não será tanto uma questão de tempo, mas talvez de dinheiro ;)
beijos aos dois

myra said...

deve, deve, acho lindo!!

Fatyly said...

Subscrevo as palavras de "daga".

Li Ferreira Nhan said...

Curioso tudo isso descrito acerca do tal sitio.
Será uma característica comum dos centros geodésicos?
O Gil é natural de uma cidade no centro geodésico do estado de São Paulo. Lá o calor é infernal. As moscas são em nuvens, aos trilhões e os pernilongos "desvairados por sangue novo".
A terra é vermelha, poeirenta e o peixe do Tietê é quase incomível.
Por lá o problema dos empreiteiros não são as pernas, mas os braços; são curtos!

Jorge Pinheiro said...

Braços curtos?!

Li Ferreira Nhan said...

Aqui no Brasil " braço curto " é aquele cara que acha que tem problema nos braços, ou seja, não estica para fazer nada, não mexe uma palha, não trabalha, o típico preguiçoso.

Jorge Pinheiro said...

Ah. Aqui pena curta é mesmo "defeito" físico.

Eduardo P.L. said...

Mas a casa merece mesmo restauro. Adoro casas de pedra. E casa dos amigos. Casa e barco.