27.5.15

COMER

A vida é um almoço permanente seguido de um jantar perpétuo. No meio fica a ginástica por fazer e a sensação de que o intervalo digestivo é tempo  completamente perdido. Deve comer-se devagar, muito devagar, por forma a prolongar o prazer. Duas horas é o mínimo recomendável para cada refeição. O pequeno-almoço é refeição a desprezar. Cuidado com a fruta. Tira o apetite sem qualquer valor acrescentado. Saladas só para acompanhamento. Comer é um exercício de estilo. E cada vez há mais estilo. A companhia é essencial. As mulheres têm dificuldade em acompanhar. A mania das dietas. Uma espécie de complexo de culpa que as faz entrar num detox perturbador que afugenta qualquer homem normal. Eu engordo todas as mulheres que me queiram fazer companhia. Chega uma idade em que os prazeres são cada vez menos e cada vez mais necessários. Comam-se e bebam-se à exaustão. Deixem as dietas para os doentes.

4 comments:

João Menéres said...

Ora aí está um belíssimo conselho :

Deixem as dietas para os doentes.

Fez-me lembrar aqueloutro :
Se o trabalho dá saúde, que trabalhem os doentes !
Por isso, Portugal não precisa de hospitais !
Basta ver os que se recusam a aceitar um dos muitos lugares que os media hoje anunciam.

Jorge Pinheiro said...

Grande João. É isso mesmo.

Li Ferreira Nhan said...

"Chega uma idade em que os prazeres são cada vez menos e cada vez mais necessários."
Bingo!

Eduardo P.L. said...

Jorge, comentei no FB, mas não vale a pena repetir. Era uma anedota! Grande texto.