15.5.15

VIDA NO CAMPO - V

As portas são baixas. Feridas de raspão. Crostas no couro cabeludo. Muita mosca. Vespas e moscardos. Paredes de pedra. Uma cobra aqui e ali. Calor de dia. Frio à noite. A vida no campo é um masoquismo permanente. Arrancar ervas bravas. Cortar, podar, pulverizar, meter, tirar... Não há rede, não tem net, a televisão não faz rewind. Não tem supermercado, não há cafés, as couves crescem devagar, as alfaces estão cada vez mais verdes, a água continua molhada e o céu tem estrelas demais. Quando finalmente conseguimos sair, ficamos a pensar se não seria melhor ficar.

3 comments:

João Menéres said...

Sabe tão bem o DESCANSO do ruído urbano !
Aqui respira-se VIDA !

Fatyly said...

Quem me dera sair daqui e ir viver para o Campo. Já me dou por feliz ir até à casa da filha que fica a uns 10kms. Que silêncio, que paz!!!!

Eduardo P.L. said...

A casa ficou ótima. Agora, a vida no campo é outra coisa! srsrs