1.10.10

POLÍTICA MUNDIAL - UTOPIA DOS SEM ABRIGO

Desde Platão, a Thomas More e Aldous Huxley, as utopias têm preenchido o nosso imaginário. Todos os dias pensamos como seria bom um planeta em paz, sem guerra, com progresso e desenvolvimento, sem fome, sem doenças, sem morte... A utopia não tem limites literários. Tem limites políticos e físicos. E, afinal, o que é a política? A política é a arte de governar. E, não sei porquê, inventou-se que a democracia era o melhor dos males, coisa que nada me satisfaz: o menor dos males!!! As utopias literárias sempre faleceram. As democracias sempre faliram. Sempre que foram implementadas, pouco duraram. Os movimentos maçónicos e carbonários nunca foram solução. As elites dominam por definição. Aliás, dominam sempre. A democracia sempre foi o poder de alguns para dominarem os outros, fazendo-lhes crer que os representavam. Hoje temos milhões de sem-abrigo, todos muito democratas. Esses milhões vão aumentar. As elites limitam-se a gerir o prejuízo. Ganham o que podem. Escondem o que devem. Até quando? A democracia directa é impossível. Irrealizável. Os sem-abrigo vão tomar conta das cidades e depois dos campos. Faz confusão ouvir políticos a falar de eleições e de aprovação de orçamentos. Gente que ainda pensa nos mercados, nas mais-valias bolsistas, nas pensões de aposentação, na segurança social... Ainda não entenderam que este ciclo acabou? Neste momento, os ciganos (com todo o respeito) estão mais bem preparados do que nós. Os sem-abrigo somos nós. A caridadezinha vai estar na ponta da pistola. No calibre da bala.

33 comments:

João Menéres said...

Comungo o seu pensamento.
O do BPN está na cadeia.
E TODOS ESTES OUTROS?

Eduardo P.L said...

Jorge,

HOJE sou CONTRA!!!! srsrsr

"E, não sei porquê, inventou-se que a democracia era o pior dos males, coisa que nada me satisfaz: o pior dos males!!!"

Essa sua frase nunca foi dita.
O que se diz comumente é que a DEMOCRACIA não é o melhor dos regimes, porém não se inventou nada melhor!
E concordo! Estou A FAVOR!!!

expressodalinha said...

Eduardo: a questão da democracia está fora de questão. É o menos mau. Politicamente correcto. Agora serve para quê? Para termos blogues e liberdade de expressão? Condicionada e para ficarmos muito contentes com isso? Isso é a nova forma de nos darem "rebuçados". Você já leu mesmo os livros de Huxley: A Ilha e o Admirável Mundo Novo?

João Menéres said...

É uma variante do ópio...

Eduardo P.L said...

Jorge,

liberdade de expressão é FUNDAMENTAL. Só quem sofreu com a falta dela, pode avaliar!
As democracias não condicionam nada! Os atos (votos) dos seus cidadãos é que dão o rumo e direção às coisas!
A culpa, se é que há culpados, é sempre da omissão, do egoísmo, da falta de participação, do desinteresse, da apatia, da preguiça, e da falta de ambições dos sérios, honestos e competentes!

Eduardo P.L said...

Mais fácil do que pegar em armas, e voltar a fazer REVOLUÇÕES, que não levam à nada, e só derramam sangue, é filiar-se a um partido político, exercer a militância , lutar, e transformar o sonho em realidade! No mínimo, se não se chegar ao pretendido, estaremos muito melhor do que estamos!

expressodalinha said...

Edurado: obviamente enganei-me no texto (agora já corrigido). A democracia é o melhor dos males. Era a frase que falhou...
Qt ao que diz, não passa de mais uma utopia. Os votos são manipulados e a democracia é a sensação que você manda. Mentira! A liberdade de expressão é essencial, mas os "novos poderes" já dominam isso. Falaremos sobre esse aliciante tema. Peço desculpa do erro.

expressodalinha said...

Eu não defendo pegar em armas e detesto revoluções. Mas é o que vai acontecer. Agora diga aí: está nalgum partido? Faz alguma coisa por mudar politicamente esses partidos? E consegue?!

expressodalinha said...

João: completo ópio. Pior, o produto é vendido como se fosse religião. Hoje tekos uma crença na democracia e um horror a tudo o resto. Não haverá outro céu?

expressodalinha said...

"Temos"

Eduardo P.L said...

Não participo de nenhum partido, faço parte da grande maioria de CULPADOS, por tudo isso! Mas tenho a certeza que esse é o caminho para as REVOLUÇÕES! As das IDEIAS! As das armas sempre falharam, e falirão!

expressodalinha said...

Pois... A verdade é não fazemos nada!

expressodalinha said...

E não fazendo nada, dexamos tudo entregue, acreditando no voto!!!

João Menéres said...

...no voto dos outros !

expressodalinha said...

Ninguém defende as armas. O que eu digo é que alguém as vai usar, inevitavelmente. Sempre foi assim. Os "montanheiros" virão. E digo mais: a ilusão da liberdade de expressão está controlada e devidamente espionada, serve para nos entreter; ficamos muito contentinhos a fazer blogues e facebooks e "eles" a gamarem o que podem. Votamos em quê? Ideias?! Pessoas?! Representam o quê? Como se vai para dentro de um partido em massa? Vamos todos organizados, de mãos dadas? Você já foi? E julga que eles deixam? É tenebroso! Gente totalmente inepta. Cuja única salvação é a política. É nisso que você vota.
NOTA: a crise no Brasil não se tem notado. Aqui está do pior.

João Menéres said...

Eu voto em quem acredito.
Mas que adianta?
Somos tão pouquitos...

expressodalinha said...

Mesmo isso nada vale. Acreditar em quê? Valores que nada valem hoje em dia? Os do passado já foram. Os do presente é o que se vê. E os do futuro estão por iniciar. Logo, qd muito podemos ter alguém menos aldrabão. É curto como visão de Estado.

expressodalinha said...

As ideias demoram séculos para se afirmar e serem politicamente absorvidas, Eduardo. Hoje estamos confrontados com problemas demográficos que explodirão dentro de uma ou duas décadas. Entretanto, vamos todos à falência, pelo menos na Europa. Há que ter IDEIAS e conseguir que elas triunfem em 3 ou 4 anos. Acha possível?

Eduardo P.L said...

Acho possível que as Democracias encontrem saídas para seus impasses, com políticas econômicas sérias, equilíbrio fiscal, austeridade no orçamento da União, liberdade e incentivo aos empreendedores, e EDUCAÇÃO para 100% da população infantil.

Só o crescimento econômico pode fazer frente às constantes e permanentes demandas sociais!

Quanto os montanheses que descerão os morros em armas, o Estado tem como conte-los e debela-los. O povo não quer querra, quer emprego, salário, segurança, seguro saúde, e escola de qualidade para seus filhos! Pública, se possível!

Como vê, não é impossível atingirmos metas concretas e objetivas! Basta olharmos para o Japão e Alemanha, para acreditarmos que o trabalho sério constrói.

Vamos sonhar com NENHURES mas trabalhar, nem que seja com ideias, para que Portugal e o Brasil, que tem muito em comum, saiam deste triste capítulo da história política que se encontram.

E para encerrar, o blog é sim, uma importante ferramenta!

Hoje estou definitivamente A FAVOR!

myra said...

a politica hoje em dia jà nao é politica, é corrupçao!!
estou de cordo com o que diz o Jorge, é infelizmente verdade e gostei muito das discussoes aqui de voces tres...
esperando que algum dia a palavra "democracia" e liberdade
volte a ser o que era ( serà que alguma vez foi?)

Eduardo P.L said...

Por sugestão da Myra, que ressaltou a QUALIDADE do debate, ele acabou no

http://comentariosque.blogspot.com/2010/10/politica-mundial-utopia-dos-sem-abrigo.html

expressodalinha said...

Myra: concordo com o que diz.
Eduardo: estamos apenas com uma dvergência. Os montanheiros é obviamente uma metáfora. E eles não vão vir de fora. São os novos sem abrigo. Aqueles que foram enganados por uma democracia que não os serviu. Qd falo em democracia, não é apenas ao regime político. É tb ao que ela permitiu. Hoje, em Portugal, p.ex., estamos a cobrir deficites de Estado e não a expandir a economia. Logo, em breve haverá recessão e o deficite de Estado aumenta. Este é o filme!
Não consigo o link para o blog. Qual é?

João Menéres said...

JORGE :
No LADINHO, do VARAL DE IDEIAS...

Eduardo P.L said...

Claro que entendi a "metáfora".
Portugal esta estagnado economicamente, e não é agora!Estou lendo o livro 1808, do jornalista Laurentino Gomes e lá já se descrevia um Portugal pobre e sitiado pelos vizinhos mais ricos e desenvolvidos: Espanha, Inglaterra e França!Parece que a situação é crônica! E os montanheiros até hoje suportaram pacificamente suas pobrezas, mazelas e falta de melhores perspectivas de vida!

Quanto ao link, basta copiar esse do comentário, que vai direto no post, ou digitar :

http://comentariosque.blogspot.com

Mena G said...

Li atentamente toda a vossa troca de opiniões.
Vejam o que escreveu José Manuel Fernandes, jornalista do Público, no dia seguinte ao discurso do PM, sobre as medidas orçamentais:
"Andei hoje por Lisboa. Falei com muita gente. Dei aulas. E não me lembro de ver/sentir tanta hostilidade relativamente aos políticos, mas sobretudo a relativamente a um governo. Como uma panela quase a estoirar. Como neste velho filme, "Um dia de fúria" (Failling down)."

Eu sinto igual...

Mena G said...
This comment has been removed by the author.
daga said...

estou de acordo com o que dizes, a democracia sempre passou por cima das minorias como um cilindro, neste momento nem serve a maioria, por isso que venham "os montanheiros"! Mas o que trarão? Uma oligarquia? Uma ditadura? Uma anarquia? Ou um regime sem rótulo, mas que proteja os mais desfavorecidos (lá está a utopia de novo)... A propósito li o livro do Huxley que adoro e cito muitas vezes aos alunos! Mas então o que propões?
Como vamos enfrentar "os montanheiros"? Ou faremos parte deles?
Beijinhos

expressodalinha said...

Eduardo: já lá fui, ao blog. Obrigado. Sei que entendeua metáfora e sim é crónico em Portugal. Só que o que está a falar agora é global e, desde logo, europeu. Acabaram-se as "mamas". Ora Portugal sempre esteve depende do exterior. É uma nação que nunca deveri ter sido Estado.

expressodalinha said...

Mena: tens toda a razão. O problema é ninguém tem razão... Muito menos eu!

expressodalinha said...

Daga: é que a Ilha e o Admirável são um contraponto de "utopias". O curioso é que só a segunda funciona.
O q proponho? Nada. Vou reflectindo, já que decidi ir por aqui. Vamos todos reflectindo. Não estou particularmente contra ninguém. Acho que nos enfiámos num buraco. E o facto de alguns se safarem melhor, é perfeitamente transitório. Vamos ver onde isto vai dar. Recuso a malidecência e a atribu~ção de culpas a pessoas concretas. Temos todos muita culpa.

daga said...

com certeza que temos todos culpa, começando por mim que insisto em continuar a votar (não sei até quando, já li o teu artigo no outro blog) porque penso que sempre é melhor a liberdade de expressão do que a ditadura... mas se calhar a liberdade é outra utopia! (É triste que só a segunda utopia funcione)
beijinhs

expressodalinha said...

Daga: Sem dúvida. Claro q é uma utopia. Uma utopia que não podemos deixar cair na rua. Esse era o ponto de todo o post. Hoje vou escrever no outro blog, para me "redimir" do anterior. Afinal vou votar... Beijos.

Quase Blog da Li said...

Daqui algumas horas sou OBRIGADA a votar.
Li todos os comentários,
acredito em vários dias de fúria, eles virão,com frequencia galopante.
Não acredito MAIS na filiação a um partido político e exercer a militância, somos todos muito bem e refinadamente manipulados.
Arma é a linguagem de quem não sabe falar.
A Educação é o remédio e o veneno.

Grande beijo a todos!