20.6.11

NAQUELE TEMPO

O restaurante foi a primeira “tasca moderna” da região de Lisboa. Um dia saiu uma crítica favorável no jornal “Expresso”. Foi um desastre. No fim de semana seguinte a invasão foi tal que rompeu os abastecimentos. Os clientes esperaram horas enquanto corríamos a casa dos pais tentando encontrar desesperadamente meia dúzia de ovos, um reforço de fruta, restos de entrecosto… O serviço às mesas tornou-se de abandalhado em inexistente. Todos nos refugiávamos na cozinha, recusando enfrentar as reclamações da clientela que debandou enraivecida sem pagar a conta.
E a paz voltou. Essa paz que nos permitia jantar sossegadamente com os amigos, devastando a garrafeira sem risco de ser incomodados por um intrépido cliente exigindo ser atendido!
Fotografia de Raul Barbosa (1975).

3 comments:

João Menéres said...

A tempo e horas podiam ter posto na porta um aviso :

LOTAÇÃO ESGOTADA

Mas, claro, não queriam perder um único cliente, não foi ?

Como a desventura continuará, fico a aguardar as cenas dos próximos capítulos...

daga said...

os media estragam sempre a paz das pessoas ;)

também fico a aguardar, pode ser que conheça alguém...

expressodalinha said...

Graça: uma chatice.