8.11.11

NAQUELE TEMPO - ADMIRADO

Com um ano tudo nos admira. Com sessenta admiramo-nos contudo. E vamos continuando admirados até à admiração final.
Eu com a minha Mãe (1952).

15 comments:

João Menéres said...

Eu sei...por não estar longe da admiração final !

Luísa said...

De que falai vós?
Vamos viver hoje? Pensar um dia de cada vez?
Não me enervem com essa conversa.
Bjnhs aos dois meninos, cuja admiração por eles reside em mim, ok?

Maria de Fátima said...

contudo, Jorge, em criança é um admirar-se com tudo mais ameno
(rss)

BRANCAMAR said...

Parabéns por ainda não ter perdido essa capacidade de se admirar.
É sempre o que mais peço, não deixar nunca de me espantar com a vida.
Muito lindo o "menino espantado", :) e a mamã também.

Beijos

Li Ferreira Nhan said...

João, não gostei nem um pouco do seu comentário!
Mas assim mesmo um beijo grande.

Li Ferreira Nhan said...

Você tá muito lindinho Jorge!

João Menéres said...

LUÍSA

e

LI

Foi só para puxar pelas meninas !...

Mas estão à espera que eu dure quanto tempo mais ?

A propósito : Gosto especialmente de admirar algumas das coisas que faço e doutras que fiz muito antes...

Beijos a estas duas meninas LINDONAS.

( Desculpe, JORGE, ser estação de transmissão às vezes ! )

expressodalinha said...

Canal aberto...

myra said...

lindo menininho:) a mae é mais linda!!!!

expressodalinha said...

Obrigado pelos comentários... admiráveis.

daga said...

É importante nunca perder a capacidade de se espantar, nunca deixar de estar atento!!
como parece ser esse o caso do menino que só cresceu por fora ;) estás de parabéns!
beijo

expressodalinha said...

Graça: cresci por dentro, mas disfarço :))

daga said...

consegues bem :))

peri s.c. said...

Belo post, Jorge

expressodalinha said...

Obrigado Mauro.