19.3.12

A PÁSCOA NÃO É FÁCIL - III


Aparentemente a “última ceia” corresponderá ao seder do pessach. Ou seja, a refeição ritual que antecede a própria pessach. Pessach é a passagem dos judeus. A passagem da escravatura do povo no Egipto, para a liberdade naquele deserto chamado Palestina e que era decididamente a Terra Prometida, mas sem petróleo. Deus era omnisciente mas, neste particular, faltou-lhe capacidade de previsão. O Pessach  era, para os cristãos, a vitória sobre a morte, simbolizada na ressurreição de Cristo. Depois havia, ainda, os rituais pagãos de Ishtar que, vindos do Médio Oriente, tiveram muito sucesso em Roma. Simbolizavam a fertilidade que se comemora no equinócio da Primavera. Farto de tanta confusão, o Imperador Constantino, decidiu estabilizar os conceitos, fazendo coincidir a data do pessach, as comemorações de Ishtar e a Páscoa cristã na mesma data, evitando três feriados. Homens destes precisam-se no mundo de hoje. Decisão. Discernimento. Oportunidade. Capacidade de execução. Num único golpe, Constantino fixou as regras da religião católica apostólica romana e acabou com o paganismo. Era o ano de 325. Niceia, o local. Uma decisão que pacificava os povos sob o seu domínio e transformava a religião católica num veículo de propaganda política imperial.

11 comments:

byTONHO said...



Pessach

"É a pa$$agem do dinheiro:
Do bolso do "cris...tão pobre"
aos bolso dos 'tão' RICOS donos das Fábricas de Chocolate!"

Jesus Cristo!
Salve-me destes "tubarões"...


:o)

Eduardo P.L said...

Grande CONSTANTINO! E não se faz mais homens como ele !!!!
O Tonho continua RECLAMANDO do preço do CHOCOLATE. Deveria ter comprado há um mês atrás. Os PANETONES que em Dezembro custavam R$ 38,00 reais, estão sendo vendidos a menos de R$ 8,00 e com lucro, seguramente! Isso se chama: LEI da OFERTA e da PROCURA, e não foi o Constantino quem inventou!!!! srsrs

byTONHO said...



Foram os "empresários sábios num acordo com os sábios da IGREJA, quem inventaram este INFERNO (páscoa, natal etc e tal)", pra faturar em nome de um DEUS

Ah! ah! ah! ah!

Não está proibido reclamar destes "jogos caça níquel" em nome de "DEUS"... meu caro Eduardo!

"Da qui a pouco inventam uma 'leisinha' proibindo reclamar de injustiças e maracutaias"
Serei o 1º a ir pra "fogueira" ou cadeia...

Abaixo este 'DEUS/coelho pascoalino'!

"Viva o Satã,
que está dando de relho
neste DEUS da IGREJA!"

Os donos das "Fábricas de Chocolates são do cartel de SATÃ ou deste DEUS" (ou é tudo a mesma coisa?) e vendem pra cris...tão inocente e crente.

Pro inferno a Páscoa, Deus e o Diabo!

Ah! ah! ah! ah!

:o)

Li Ferreira Nhan said...

Jorge isto esta quase como as explicações das freiras alemãs. Uma confusão onde só se vê um monte de datas... Continuo a não perceber. Gostaria era entender muito além. Mas não compreendo.

O calendário é bom que mude ano a ano, não gosto mesmo da rotina.
Quanto ao Constantino prefiro muito mais sua mãe, a Helena.

And
that's not all folks!

myra said...

Todos vces tem razao!!!! e que bem o Jorge descreve toda esta confusao, mas mesmo se Constantino "arrumou"...as confusoes e mal entendidos continuam...

BRANCAMAR said...

Razão tem a Myra, como sempre muito sábia, as confusões continuam.

Gostei muito Jorge de todos estes ensinamentos históricos, que nos mostram realmente a grande variedade de datas, de preceitos, de religiões, que nos têm comendado ao longo dos séculos.

Pertencer a grupos, como já disse atràs, é sempre uma forma de sermos manietados, sobretudo quando se trata de grupos religiosos ou políticos, já agora também os futebolísticos, :)

Beijinhos e obrigada pela partilha dos conhecimentos.

Branca

expressodalinha said...

Tonho invenção dos alemães. Coelhos que põem ovos. Chocolate por todos os lados. Embora os vos (pintados com beterraba) já viessem dos cultos da fertilidade de Ishtar, divulgados em Roma.

expressodalinha said...

Li e Myra: um homem muito mais prático do que se julga. Um pagão convicto e violento que se converteu por razões polítas essenciais.
Qt à mãezinha Helena, foi ela que inaugurou o turismo religioso numa perigranção a Jerusalém e que trouxe para o comércio das relíquias um lanho da santa cruz.Uns séculos depois já havia lanhos suficientes para construir uma Arca de Noé!

expressodalinha said...

Li: quanto às freiras, lamento muito :))

expressodalinha said...

Branca: obrigado pela apreciação. Qt a grupos concordo... mas sou do Benfica :))

Li Ferreira Nhan said...

Pois é Jorge, a Helena enxergava mais longe!