4.3.12

ROBERTO BARBOSA

Roberto completaria hoje 59 anos. Deixou-nos há quase cinco anos. Continua a fazer-me uma falta enorme. Falo muito com ele na surdina do meu recolhimento. Não posso contar o que lhe digo, mas sei que ele entende.

14 comments:

myra said...

sim, Jorge, entende e gosta!

Eduardo P.L said...

Percebe-se seu afeto e respeito pelo Roberto, de quem escreveu uma linda biografia, e que continua influenciando seu trabalho como fotógrafo. Ele deve estar muito orgulhoso do pupilo e biografo!

Luísa said...

Há conversas que só a si dizem respeito! E nesse diálogo, onde o monólogo cabe e não chateia, cabe também o sentimento nobre da saudade, que só se sente porque qume se gosta, ou gostou!
Beijinhos mil

daga said...

entende, Jorge, podes crer! eu sei o que é sentir uma ausência muito presente! também falo muito com a Luisa, sempre...
beijo

Li Ferreira Nhan said...

Não sei o que dizer Jorge...
Nunca soube lidar com esse tipo de ausência.
beijo

João Menéres said...

Depois de ter lido o livro e de ter ouvido a Bé falar-me dele, não me admira esse diálogo que não pode contar, mas que o Roberto entende.
Eu julgo que o Jorge, sempre que sai com a sua camera,
em vez do tripé, leva o Roberto Barbosa no pensamento
como fonte inspiradora.
Não tenho dúvida alguma que o seu Amigo e professor, está muito orgulhoso da SEMENTE que germinou !

Um abraço amigo ( e numa dessas surdinas, transmita-lhe, por favor, que também eu, que nunca o conheci, também dele tenho saudades ).

BRANCAMAR said...

O sentimento forte de saudade e afecto que nos deixa aqui transmitido é de tal maneira expressivo que eu própria que não conheci o Roberto lhe fiquei afeiçoada neste momento, foi como que uma imediata empatia, pelo seu sorriso, pelo seu olhar, porque este é um rosto de uma expressão tremendamente humana, um olhar luminoso e frontal, que não engana.

Beijos
Branca

expressodalinha said...

Branca: esse era um dos segredos dele. Obrigado.

expressodalinha said...

Obrigado Amigos pelos vossos comentários.

expressodalinha said...

João: acho que tem razão, embora as minhas fotos nada tenham a ver com as dele. Falta-lhes "algo"...

Anonymous said...

O tempo vai passando e a saudade cresce...

António

João Menéres said...

Esse > algo < a que se refere pode não existir em muitas das suas imagens ( nas documentais, particularmente ).
Mas, em todas as outras, está bem presente, não duvide.

expressodalinha said...

Pois é António...

expressodalinha said...

João: mais um obrigado pelo incentivo.