13.8.12

2016 - RIO DE JANEIRO

Com uma medalha de prata ganha em canoagem, Portugal ficou no número 69 do ranking destes Jogos Olímpicos. Se pensarmos que houve 120 países que não ganharam nada, não é mau. A Europa ganhou destacada o número de medalhas conquistadas, somando mais do que a USA e a China juntos. Londres fez um espectáculo extraordinário. Agora a bola fica com o Brasil. Em 2016 voltamos a ouvir falar em natação sincronizada, saltos ornamentais, hoquei na grama, halterofilismo, taekwondo, pentatlo moderno e tantos outras modalidades de que nada sabemos durante quatro anos. Até lá ficamos com o velho futebol.

9 comments:

Anonymous said...

Penso em um ano por vez.
Li

Anonymous said...

Não gosto de comparações. No entanto elas, mesmo sem querer e sem delas gostar, sempre acontecem ... pus, lado a lado, as dimensões territorias, populacionais e económicas, da Jamaica e do Brasil.
Digo mais alguma coisa?

Futebol? Viva o México!

Acabou. Não foi só para Inglês ver. Eu também vi e gostei. "Foi bonita a festa, pá".

Fatyly said...

para além das "modalidades de que nada sabemos durante quatro anos"...não irá ser dado destaque mais que merecido aos paralimpicos que vão começar e trazem sempre carradas de medalhas.

Enfim...não consegui ver todo o espectáculo de ontem.

Eduardo P.L said...

Londres se saiu muito bem da tarefa! Agora, quanto ao Rio... tenho cá minhas dúvidas! Mas vamos ser otimistas, sem ufanismo!

Quanto as medalhas da Jamaica, meu pai, falecido há 20 anos atrás, já dizia, ninguém vence os negros em esportes que usem salto em altura, ou velocidade. Explicação científica: eles tem o tendão de aquilis maior e mais elástico do que os brancos! Taí os Jamaicanos a comprovar. O os jogadores de basquete dos times Norte Americanos. Não tem um branco!

expressodalinha said...

A natação não tem pretos. E no salto em altura ou de vara, normalmente são brancos a ganhar (vide este ano). Enfim, mas há tendências e genéticas e, acima de tudo, escolas que se vão desenvolvendo e aperfeiçoando nos vários países, aproveitando essas características.

Paulo said...

Embora as pessoas de etnia africana (não se diz pretos, Jorge!*) possuam características físicas que propiciam certos desportos: o rabo espetado, autêntico motor atrás, ajuda muito. Tens razão. O mais importante para conseguir medalhas nos JO para além de importar atletas africanos, é desenvolver escolas: os exemplos estão à vista. Podemos é questionar a utilidade deste autêntico "freak show" e compará-lo às touradas (ou corridas de touros). Mas isso é outra discussão.
*nota: só o Caetano Veloso pode falar em pretos e ninguém ficar ofendido.

Anonymous said...

Lá vai o Brazil, com Z, para Inglês ver, esconder o lixo debaixo do tapete .... em 2014 e 2016. Haja paciência para quem só quer holofotes e esquece-se dos que fazem as lâmpadas ....

João Menéres said...

Eu vi a cerimónia de encerramento total.
Foram 2 h e 40' !...
Valeu a pena, sem dúvida, mas confesso que já estava cansado.
Depois da simbólica passagem do testemunho ao Brasil e dos 2 discursos oficiais, acho que devia ter terminado aí mesmo. Quando muito, após um feérico fogo de artifício.
Para béns à Grã-Bretanha, aos milhares de voluntários e a todos os que competiram procurando dar o seu melhor.
Parabéns à Canoagem Nacional que nos deu uma medalha de prata.
Contava com a Vela para aumentar o nosso espólio !

Eduardo P.L said...

Jorge,

duas observações:

Um absurdo essas bobagens de políticamente correto. Preto e negro é exatamente a mesma coisa!

Salto em altura com vara é outra coisa. Me refiro ao elástico ou mola que os atletas negros parecem ter nos pés e pernas. Corrida com obstáculos, basquete e etc...