1.12.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - XIX



As análises aos resíduos do explosivo do atentado de Lagos estavam concluídas. Tratava-se de um octanitrocubano. A molécula, conhecida pelo “cubano”, é um hidrocarboneto sintético que consiste em oito átomos de carbono dispostos na forma geométrica de cubo, com um átomo de hidrogénio ligado a cada átomo de carbono. O “cubano” é uma molécula extremamente tensa, não sensível à luz, nem à água. Em 1999 foi sintetizada a molécula do octanitrocubano. Tem a mesma estrutura química do “cubano”, mas cada um dos oito átomos de hidrogénio é substituído por átomos de nitrogénio. O octanitrocubano tem uma velocidade de detonação de dez quilómetros por segundo, fazendo dele o explosivo não-nuclear mais rápido do mundo. A sua sintetização é muito difícil, tornando-o um produto raro e mais caro do que ouro. Até à explosão de Lagos não havia suficiente experiência da sua performance fora dos laboratórios. Sabia-se que o octanitrocubano era sintetizado nos laboratórios da Universidade de Chicago e na Naval Air Weapon Station de China Lake, no deserto de Mojave, na Califórnia. Admitia-se a sua produção na Rússia. Suspeitava-se que na China também havia laboratórios habilitados para essa sintetização. Os investigadores conheciam agora o explosivo, mas não havia bases sólidas para identificar a sua origem.
(Continua)

4 comments:

Eduardo P.L. said...

Muito bom este capitulo ilustrado.

João Menéres said...

Eu já desconfiava dos CUbanos...
Agora , sei porquê !

Muito bom o vídeo, Jorge !

daga said...

ouve lá, ninguém merece :p agora uma aula de química no meio da história e depois daquela onda maravilhosa!!

Jorge Pinheiro said...

Foi só esta...