25.8.14

JÁ NÃO HÁ PECADOS?

Estamos cada vez mais tolerantes com o crime. Dantes, os comportamentos antissociais eram condenados pela religião e julgados como crimes. A justaposição da moral religiosa com a moral laica, fazia dos pecados crimes e dos crimes pecados. A intolerância era canónica e, para além de prisão terrena, davam inferno perpétuo.  No Ocidente, com o advento da Revolução Francesa, a moral afastou-se da religião e o castigo já não é divino.  Hoje não temos receio de pecar. Temos apenas medo da polícia. A nossa tolerância aumentou na proporção do aprofundamento da democracia e dos comportamentos republicanos. In dúbio pro réu. Recursos paralisantes. Prescrições aviltantes. Todos os dias assistimos a desaforos sociais inqualificáveis.  Disparos aleatórios contra cidadãos que passeiam na rua. Assaltos à mão armada e roubos de colarinho branco. Pedofilia, estupros e violência doméstica... Assistimos a tudo isto com uma tolerância quase pornográfica de rebarbativo masoquismo. A ausência de pecado nas sociedades ocidentais faz com que a moral se identifique com as notícias publicadas no Correio da Manhã e que os crimes sejam digeridos na ligeireza doméstica do Facebook. Estaremos condenados a precisar de uma religião?  

8 comments:

daga said...

não precisamos de religião para termos um comportamento moral em sociedade. O problema é que as pessoas se tornaram indiferentes perante a desgraça alheia, desde que não sejam elas próprias os alvos! pelo contrário, até gostam de ler e ver as notícias terríveis (quanto mais sangue melhor...)! eu costumo dizer que só pode ser aquilo a que chamo "Síndroma da arena": o interesse pelas notícias de terror, pelos desastres, etc (como no circo romano)

Eduardo P.L. said...

As religiões não existem por acaso. Elas foram criadas para colocar freios nos seguidores que colocam dinheirinho na caixinha. Hoje usam até cartão de débito.

João Menéres said...

Se em vez da chuva permitir que os colarinhos brancos passassem entre pingos os atirassem para um poço sem fundo...

Li Ferreira Nhan said...

A maldade, a crueldade faz parte do ser humano.
Assim como a bondade.
A religião é só mais uma desculpa.
Assim como a política, a miséria entre tantos outros motivos para a pratica das atrocidades.
Sempre foi assim.

Fatyly said...

Acho que não precisamos de mais religiões, o que precisaríamos era de uma justiça célere, mais justa e mais condenatória, porque instalou-se por completo o sentido de "impunidade".

A sociedade partiu-se e pela fenda causada pelo abalo de "meninos armados em políticos+ os tubarões capitalistas + etc", ecoaram-se valores morais e éticos de décadas já para não falar desta União Europeia que de "união" nada tem!!!!

Jorge Pinheiro said...

Pois, mas isso já sabemos. O que quis salientar é se a ausência da noção "pecado" não aumenta potencialmente os crimes. O medo do Inferno sempre dava alguma esperança na Terra.

daga said...

tu és terrível...

Fatyly said...

Deves ter apanhado sol a mais, não?