8.8.14

UM VERÃO QUENTE E FRIO

Depois de seis livros editados, contos, blogues e outros escritos vadios, parece que me esgotei. Estou com pudor em escrever. Não sei que dizer. Não tenho assunto, nem consigo ser original. Falar da decadência da família Espírito Santo e da consequente falência do BES? Dizer que são uns ladrões, uns bandidos, uns vigaristas e uns poltrões?… Já toda a gente sabe. Falar do ébola que contamina a África e promete estender-se em ligações aéreas a todo o mundo?... Vem diariamente em todos os jornais. Opinar sobre a desgraça árabe que se incendeia de novo em Gaza, que destrói o Iraque, que atinge a loucura na Nigéria ou que mata que se farta no Afeganistão?... Assunto requentado, sem nada de novo infelizmente. Teorizar sobre o Muro da Ucrânia que se está a preparar num clima de Guerra Fria acirrado pela queda do MH17?... Não tenho autoridade, nem conhecimento, apenas medo. Vou falar de quê? Dos meus estados de alma? Da idade que se acumula? Da dificuldade em suportar ruídos de motas, carros, ambulâncias, cães e em geral de tudo o que mexa? Da sensação de inoperância total e de intolerância galopante? Falar outra vez das minhas idiossincrasias? Da minha hipocondria? A vida está-me a tirar a vontade de comunicar. Sinto que não acrescento nada de novo, nem de positivo. Não sei… Talvez me cale ou desate a dizer disparates. Vou pensar.

9 comments:

Li Ferreira Nhan said...

Escritos de inverno, de frio, de vergonha.

Te falta o sol, o verão pleno
e junto ao calor a impudência.
Desate, não só a dizer, mas a fazer disparates; o desatino cai bem.
Há horas que o mais sensato é o desvario.

Fatyly said...

Olha que eu também não sei, mas nada como "dizer e fazer disparates" de modo a que me provoques sorrisos, porque estou farta, mesmo farta de desgraças!

Força e descansa, porque não és pessoa de ficar parada, a escrita e partilha corre nas tuas veias:):)

Um abraço

João Menéres said...

Hoje iniciei as férias !
Dê-me um dia de folga, Jorge, e amanhã tentarei passar uma receita.

Paulo said...

Acho que não vale a pena falar sobre assuntos dos quais apenas tomamos conhecimento dos factos através da comunicação social. É desperdício de
energia e normalmente cai-se em lugares comuns ou discursos demagógicos politicamente correctos.
Falar só sobre as nossas idiossincrasias nem sempre é engraçado.
Aconselho a elaboração de enredos imaginários, histórias empolgantes, notícias inventadas, "estórias" da história, novelas, contos, poesia, etc. Descontraidamente só para entreter

Eduardo P.L. said...

Como os seus leitores acima já deram muitas sugestões vou me limitar a dizer que por mais que lute contra, ou finja lutar, seus textos estão sempre cheios de humor, e bem construidos. só isso, por si só, já vale. Mas o mais importante é que não perdeu o hábito, o desejo, e a necessidade de pensar. E isso é que importa. O homem pode ficar calado por muito tempo, mas não deve parar de pensar. E pensando todos os outros pequenos problemas se resolvem. Insolúvel mesmo é a guerra entre palestinos e judeus. Essa se um dia acabasse no que iriam eles pensar????? srsr

daga said...

não penses !! diz disparates! vá lá, são sempre tão lúcidos os teus disparates que merecem ser lidos :)
beijo

João Menéres said...

A falta de aparente inspiração não é doença !
E no Jorge, é pura ficção !

Não quero de forma alguma fazer comparações, mas comigo passam se dias e dias em que nem na máquina pego !
Depois, saio para qualquer lado, e numa hora feliz, obtenho uma dúzia de imagens para alimentar o blogue.
Fala em seis livros editados. É verdade !
Só mostra de quanto o Jorge é capaz !

E o IMAGINI ( lá para Novembro )
vai revelar uma nova faceta do Jorge !

Cá por mim, estou a tentar ganhar balanço para novas aventuras...
Quais ?
- Não estou preocupado !
Na hora, se hora houver, logo se verá !

Um abraço e descanso ( nunca fez mal a ninguém ! ).

Jorge Pinheiro said...

Pois é. Estou a precisar de férias de não fazer nada.

João Menéres said...

Por ser muito cansativoNÃO FAZER NADA é um óptimo exercício mental e físico !