5.9.14

CONDICIONAMENTOS

Morar numa vivenda é diferente de morar num apartamento. Ter vista para a serra é diferente de ter vista para o mar. Horizonte aberto, horizonte fechado. Vista longa, vista estreita... Da minha janela vejo verde a toda a roda. Estou cercado de plantas. Engolido por flores. Quase canibalizado pela vegetália. Se tivesse vista alta ou um apartamento em profundidade teria outra inspiração? E se tivesse prédios claustrofóbicos à frente seria outro eu? O habitat condiciona a nossa vida. A questão é saber se somos mais felizes. Se calhar morando num bairro cheio de cafés e lojas de comércio local conhecia gente interessante. Fazia amizades inesperadas. Tinha conversas estimulantes. Assim remeto-me a cortar ramos secos e plantas parasitas, vigiado por gatos de quintal. Como sabemos o que era melhor?

5 comments:

daga said...

não sabemos porque não conseguimos ter essas várias vivências diferentes para poder comparar! estamos condicionados (grande título) ao espaço e tempo em que vivemos... mas mesmo assim somos livres, pois podias sair e procurar amigos nos cafés que afinal não estão assim tão longe e depois voltar para a natureza e cortar ramos secos :) não gostas de cafés, nem de "amigos" de circunstância, escolhes os ramos - és livre apesar dos condicionamentos!

Li Ferreira Nhan said...

Como escrevi no FB, o habitat condiciona nosso dia a dia sim.
Tb moro numa casa engolida por uma grande vegetação; coisa rara em São Paulo principalmente num bairro próximo ao centro, onde os prédios e a especulação imobiliária proliferam como varejeiras. Tenho aprendido a conviver sem vista, tapada pelos edifícios.
Com eles tb chegaram o comércio gastronômico e é bom; faço diariamente meu "social". Gosto de conversar com as pessoas. Mas, claro, o serviço é imenso! Tb ando a cortar, replantar, podar ramos e plantas e depois a varrer tudo,
e vigiada pelos meus adorados cães. Gosto de viver aqui.
Jamais poderia ou conseguiria viver num apartamento; não tenho perfil para isso.

Eduardo P.L. said...

Jorge, sei que o tema colocado assim provocativamente é intencional. Morar num apartamento com vista ou sem ela tem muitas vantagens, além da proximidade do comercio, bares e restaurantes. As cidades ficaram grandes e perigosas, e as conversas casuais e amizades por instantes são cada dia mais rara. Em SP, por exemplo, ninguém conversa com estranhos. Agora morar no mato, sendo "canibalizado pela vegetália" tem seu charme. É preciso ter perfil e vida interior para conviver com o silêncio e bucolismo rural. Para ler e escrever o campo é muito melhor. As cidades tem ruídos e apelos que me tiram a concentração. Por sorte posso dispor dos dois tipos de moradia, e acredito que esse é o ideal.Como no seu caso. Somos privilegiados. Boa crônica. A expressão "canibalizado pela vegetália" é antológica.

João Menéres said...

Tinha escrito ontem o meu testemunho.
Infelizmente, quase no final, o pc resolveu dar comigo em doido ao fazê-lo desaparecer !
Por isso, a versão de hoje é muito soft :

Com o avançar da idade ( não esquecer que vou entrar nos oitenta ! ), devemos ser realistas.
Numa moradia como a minha, se um de nós fica entrevado, a vida é muito mais complicada.
Por isso, impôs-se a racionalidade :
adquirir um apartamento na minha esquina !
E onde vou colocar os quadros e os livros ?
E os móveis e tudo o resto que, no mínimo, traduz 50 anos d vida em família ?
Creia, Jorge, que também não me importava de ser canibalizado pela vegetália !
Mas é preciso tomar decisões enquanto a mente nos autorizam...
Claro, que vai ser muito doloroso para mim !...

Fatyly said...

Nunca saberemos o que era melhor porque conforme a idade tudo muda, tudo se transforma. O ideal seria cada um ter uma vivenda rodeada de "vegetália" e um apartamento numa zona "movimentada" socialmente falando.

Mas quem é reservado, pouco dado a conversas de cafés e ou de circunstância, meu amigo...a postura, sentimento, satisfação será sempre igual num apartamento ou numa vivenda.