6.12.16

COMIGO MESMO - V


Em Lisboa a vida era monótona. A Rua Ferreira Lapa não tinha saída. Logo ali a 50 metros da casa a rua batia no muro altíssimo que protegia o Hospital Miguel Bombarda, ou talvez nos protegesse a nós dos loucos que lá estavam em tratamento psiquiátrico.
A casa fazia esquina com a Rua Ferreira Lapa e a Rua Bernardim Ribeiro. Um rés-do-chão enorme, com dois corredores a perder de vista. Eu jogava à bola contra mim mesmo no corredor comprido. Chutava e corria para o outro lado para defender o meu próprio remate. Voltava a chutar ao contrário, voltava a correr para trás e assim sucessivamente até à total exaustão futebolística.
Ser filho único tem destes inconvenientes. Temos de brincar sozinhos. Aliás, ser filho único tem coisas boas e más. Coisas boas, é ter todas as atenções concentradas em nós. Coisas más, é ter todas as atenções concentradas em nós.

5 comments:

João Menéres said...

Defender o próprio remate é fácil se for às três tabelas, Jorge...
Quanto a ser ou não filho único e às coisas boas e más que tal acarreta, posso contrapor o meu caso :
Éramos 4 filhos e os mais velhos tinham 11 anos ( uma rapariga ) 10 e 5 anos ( esse ainda é vivo ) mais do que eu.Todos queriam dizer o que podia ou não fazer.
É terrível sentir a nossa vontade sempre sujeita ao lápis azul !

Eu defendia numa balisa remates imaginários e não me lembro de ter sofrido um único golo !
A fadiga não era muita e só me atirava para o relvado do coradouro quando me apetecia.
Equipado à Valongo ( o guarda redes famoso na época ).
Mas não me lembro qual era o Clube dele...

Li Ferreira Nhan said...

Há todo tipo de loucos dentro e fora dos muros do hospital; ainda bem, isso é saudável!
;))

Jorge Pinheiro said...

Eu não tenho propriamente pena de não ter mais irmãos. Mas com o passar dos anos tenho uma espécie de solidão maior.

João Menéres said...

LI

No 2º ciclo, joguei como defesa pelo meu 5º ano liceal.
O único golo que marquei foi contra a nossa equipa.
Escusado será dizer que, além de ter achado imensa graça e me ter rido, jamais me escolheram !
Falta de humor que aquela gente tinha...

Um beijo, Li querida.

Eduardo P.L. said...

Perfeita definição de filho único.