22.1.17

COMIGO MESMO - XLII



Hoje recordo Bragança pela distância e pela saudade. Lá em cima ficava o castelo, um dos mais bem preservados do país, com a sua altiva torre de menagem e a Torre da Princesa, com uma lenda que mudava consoante o interlocutor. Bragança é terra de Celtas, de uma tribo Galaica, os Zoelas. Uma terra que foi dominada pelos Romanos e invadida pelos Visigodos.
Os Mouros não conseguiram estabelecer-se por conta própria e andaram 50 anos a levar na tromba, antes de terem percebido que não valia a pena insistir. Foram os leoneses que tomaram conta disto. A independência veio com naturalidade, logo nos tempos de Afonso Henriques. Bragança sempre foi terra de atravessamento. Guerras com Espanha, invasões francesas, lutas liberais, revolução cartistas… Tudo passou por aqui. A população foi enriquecida com os judeus em fuga dos Reis Católicos e será rara a família que não tem sangue “marrano”. No Inverno neva, mas os lobos são protegidos.

5 comments:

João Menéres said...

Pois é, Jorge, com esta teria sido o mais votado no Flinpo , no tema NEVOEIRO ( neblinas e similares )...

Portanto, estou a dizer que a imagem é MAGNÍFICA ( acho que tirada da Pousada ).
A luz, o verde, a Domus Municipalis perfeitamente desenhada...
Só o castelo é altaneiro ao nevoeiro !
O que se consegue quando há o cedo erguer !

Não sabia que a lenda da Princesa conhecesse tantas versões.

Jorge Pinheiro said...

A foto não é minha. Foi sacada da net. A Princesa voou... pelo menos é o que diz a minha mãe.

João Menéres said...

Pode ter voado, mas não foi com o Grifo...
Se tivesse colocado que era da net...
Tenho obtidas da Pousada com nevoeiros.
Mas não com esta cor.

Eduardo P.L. said...

A foto realmente é extraordinária. Quanto ao voo.... nada a dizer.

alfacinha said...

eu já estava la.É verdade é um castelo impressionte
um abraço