9.2.12

HISTÓRIA DE MACAU - XVII

 Em 1966 a Revolução Cultural chegou a Macau. Chegou sem que as autoridades portuguesas se tivessem apercebido. A Revolução Cultural Chinesa era imparável. Até aí ela não era evidente em Macau. Mas, inevitavelmente, tinha de chegar. Mais do que um protesto contra os portugueses, mais do que a intenção de integrar Macau na China (que nunca houve), os incidentes visavam, tão-somente, mostrar a Mao Tsé-tung que Macau também era revolucionário. Pretendiam mostrar o fervor das gentes de Macau, à causa da Revolução Cultural. Claro que o “incidente da Taipa” podia ter sido evitado. Os portugueses, por manifesta inabilidade, caíram na armadilha. Mas se não fosse esse, seria qualquer outro pretexto. Macau tinha de ter os seus Guardas Vermelhos.

3 comments:

Li Ferreira Nhan said...

Pois;
agora sim é a própria visão do inferno.


(e o demônio com sorriso maroto)

Maria de Fátima said...

eu bem me tinha parecido, Jorge, que tinhas um livro escrito dentro de outro livro...:)

expressodalinha said...

Fátima: foram vários dentro do mesmo.