4.7.13

MANIFESTAÇÃO DO GOVERNO




Portugal é um país muito original. O povo aguentou durante dois anos a austeridade brutal, o ataque aos subsídios de férias e de natal, o aumento colossal de impostos, o desemprego exponencial, a diminuição de direitos sociais e a quebra na economia. O povo aguentou com patriotismo, sem manifestações violentas. O governo não previa isto. Desde o princípio o governo contava com manifestações violentas para poder negociar com a troika. A ausência de solidariedade do povo determinou a manifestação de ontem por parte do governo. Em boa hora se demitiu o Ministro das Finanças, logo seguido pelo dos Negócios Estrangeiros. Outros se seguirão, espera-se. Temos governo. Um governo que se manifesta e que luta por nós. Viva a governo. o Tribunal Constitucional. O Conselho de Estado. Sua Excelência o Presidente da República. Abaixo o povo inerte e abúlico.

12 comments:

Fatyly said...

ESte é o maior e melhor GRITO DE UM INDIGNADO e posso subscrever?

Cambada de putos irresponsáveis e dinossauros caducos e desmiolados.

expressodalinha said...

Claro que podes. Obrigado.

João Menéres said...

Mais um subscritor !

Eduardo P.L. said...

Muito bom texto. De humor e ódio...

Fatyly said...

Publiquei mas salvaguardei os direitos de autor. Caso não permitas diz-me que retiro!

Um abraço

daga said...

o povo português sempre foi "inerte e abúlico",como é que o governo podia contar com "manifestações violentas"?
onde já se viu uma revolução como a de Abril? sem feridos? cá no país dos "brandos costumes"...

João Menéres said...

DAGA

Se calhar foi esse o erro do 25 de Abril...


Um beijo.

António P. said...

Pois é Jorge, em tempos idos (no famoso PREC) tivemos um governo que fez greve e um 1º ministro (Pinheiro de Azevedo) que nos mandou bardamerda...agora temos um governo de manifestantes, só falta que nos convoquem para uma manifestação para o derrubar.
Abraço

expressodalinha said...

Nem mais!

Paulo said...

O "povo" português sempre teve bom senso e cedo percebeu que a austeridade, independentemente da ideologia dos governantes, era incontornável e inevitável. Para mantermos a credibilidade temos que pagar a dívida e reformarmos o "elefante branco" do estado e redimensionando-o de forma a ser sustentável. O resto, são cantigas de agitadores profissionais, stalinistas e políticos oportunistas no desemprego.

myra said...

a derrubar!!!!

expressodalinha said...

E porque não há responsabilidade política?