9.10.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - IV


Melzek abriu a janela do terraço. Um sétimo andar no Edifício Baluarte. Passavam cinco minutos da uma hora da tarde. Lá fora o Sol brilhava. Ao fundo, um areal a perder de vista. A Meia Praia estendia-se até ao Alvor. O mar reverberava na luz reflectida. Um azul incandescente perdia-se no oceano infinito. Melzek olhou os restos de fumo da explosão que se esvaiam no horizonte da Serra de Monchique. Ouviam-se ambulâncias uivando de horror. Lá em baixo pessoas corriam desorientadas. Conversas gritadas. Gente que se precipitava para o centro da cidade em busca de notícias de amigos ou família. Outros, em pânico, que fugiam em sentido contrário.
(continua)

5 comments:

João Menéres said...

Belo dia para ser manchado com um crime dessa natureza...

Eduardo P.L. said...

Jorge, não se importe se só o João, Myra e eu continuarmos a reler a Operação Cação. Ele ficará em capítulos, nos arquivos, nessa versão ilustrada, que esta ótima. Bola pra frente. Outra alternativa é também publica-la no FB como faço com as minhas crônicas. Lá sempre tem maior visibilidade, infelizmente.

João Menéres said...

Eu cada dia evito mais o FB !

Jorge Pinheiro said...

Vamos em frente. Pelo menos estou entretido.

daga said...

Ah aqui já parece Lagos e está linda! gosto muito de reler :)