18.11.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - XV


Melzek tinha esquecido todos as regras básicas da sua profissão. Depois do atentado, há muito que devia ter saído de Lagos. As instruções eram claras: manter-se mais três dias na cidade e depois sair do país via Lisboa. Mas, Melzek foi-se deixando ficar. Só tinha o próximo trabalho dali a seis meses. Um contrato para eliminar um conhecido empresário mexicano. E, francamente, aos 48 anos estava farto deste desassossego. Sempre a viajar. Identidades falsas. Sempre escondido. Sem família. Sem amigos. A ideia de assentar e fechar actividade não lhe desagradava. Talvez ficar ali pelo Algarve. Comprar uma boa casa com vista para o mar. Dinheiro não lhe faltava. Idalécia podia ser uma boa companhia. Era meiga e dedicada. Ficar-lhe-ia eternamente grata. Começou a pensar seriamente na hipótese. Depois de despachar o próximo trabalho viria para o Algarve. Naquela noite, Idalécia teve uma surpresa. Um anel de brilhantes. Melzek estava a ficar romântico.
(Continua)

4 comments:

Eduardo P.L. said...

Um conto de tirar o fôlego!

João Menéres said...

E a imagem é soberba !

daga said...

"romântico" é muito bom para uma criatura como o Melzek ;)

Mena G said...

Pois. Quando cá vêm já não querem ir embora ou então, ficam sempre sonhando em voltar... É magia. :)