14.12.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - XXIII

 
A investigação entrou num impasse. A “pista marroquina” não dava em nada. A identificação da origem do explosivo era lenta e de resultados duvidosos. No imediato, a pista do inspector Ribeiro acabava por ser o único ponto a explorar. A “Operação Cação”, como jocosamente lhe começaram a chamar, implicava acreditar numa hipótese perfeitamente mirífica. À falta de melhor, porém, a investigação avançou na análise das comunicações dos dois números de telemóvel que cruzaram comunicações. Curiosamente, o telemóvel de Bruxelas, tinha uma comunicação de voz efectuada para um telefone móvel brasileiro, feita para o Estado de Santa Catarina, mais concretamente para a zona de Imbituba. E foi aí que “o Gordo” teve um golpe de asa. Telefonou à sua colega Moema, inspectora da polícia em São Paulo. Tinham-se conhecido numa conferência internacional sobre “O Instinto na Investigação Criminal”. “O Gordo” ficara sempre com fraquinho por aquela mulher de porte atlético e ar decidido. Esta era uma boa oportunidade para voltarem a falar.

8 comments:

daga said...

bela foto, Jorge, bela foto!

João Menéres said...

IMBITUBA ?
O nome diz-me qualquer coisa...
Será que vamos até uma moradia que até tem um museu e uma cozinheira famosa ?
Veremos !...

Como a Graça disse, mostra-nos uma bela foto !
Influências claras do Roberto !

Um abraço.

Jorge Pinheiro said...

João: já estivemos nessa casa num episódio anterior...

João Menéres said...

Pois já !

Eduardo P.L. said...

As perguntas do João são fantásticas. Meu próximo personagem num conto policial vai ser inspirado nele!!!!

João Menéres said...

EDUARDO

Venha, então e depressinha, o novo conto !

Jorge Pinheiro said...

Acho uma excelente ideia.

João Menéres said...

Esqueci-me de perguntar ao EDUARDO :


O personagem tem direito a royalties ?