30.12.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - XXVII

Jean-Baptiste estava tudo menos descansado. E começou a pensar se não seria mais prudente ver-se livre daquele trio de belgas. Deu-lhes três dias para resolverem tudo. Agora estava preocupado com a reunião. No dia seguinte iria começar a pregar a “nova cruzada”. O Islão era o culpado de tudo. O Islão tinha de ser atacado nos seus redutos mais sensíveis, Meca e Medina. A Europa tinha de se defender atacando. A emigração do Magreb tinha de parar de imediato. Os muçulmanos residentes na Europa deviam ser todos, mas todos sem excepção, expulsos. O desemprego e a miséria das classes trabalhadoras europeias deviam-se exclusivamente ao poder islâmico tolerado por Estados fracos e políticos corruptos. A crise europeia era culpa dos muçulmanos. Os valores cristãos europeus tinham de ser restabelecidos... Jean-Baptiste tinha a certeza que este discurso, juntamente com os atentados que estavam projectados e cuja autoria seria sempre imputada a grupos islamitas, faria a opinião pública europeia pender para o seu lado. Esperava conquistar o eleitorado pelo medo e pelo desejo de vingança.
(Continua)

5 comments:

Fatyly said...

Já li tudinho de seguida e realmente Jorge tu és magnífico!

Eduardo P.L. said...

Jorge, o magnífico!

daga said...

pois... dá jeito que os muçulmanos sejam sempre culpados...

Jorge Pinheiro said...

Eduardo: tem de começar a pensar nos Contos da Aurora Boreal ))

Jorge Pinheiro said...

Fatyly: Obrigado pelo magnífico.