29.3.15

HERBERTO HELDER (1930 - 2015)

queria fechar-se inteiro num poema
lavrado em língua ao mesmo tempo plana e plena
poema enfim onde coubessem os dez dedos
desde a roca ao fuso
para lá dentro ficar escrito direito e esquerdo
quero eu dizer: todo
vivo moribundo morto
a sombra dos elementos por cima

3 comments:

João Menéres said...

Muito bem seleccionado, Jorge !

Eduardo P.L. said...

Jorge, salve e viva o poeta. Ainda que na morte. Aqui no Brasil estamos cuidando de derrubar a Dilma.

Jorge Pinheiro said...

Essa grande poetiza do povo?