26.11.12

ABECEDÁRIO DE MYRA - F

 
Apesar da sua provável origem fenícia, o “f” demorou para se afirmar. Ainda há bem pouco tempo era “ph”. Só por força de Acordos Ortográficos o “f” viu a sua personalidade reconhecida. Talvez por isso, o “f” se impôs como letra perigosa e matreira, sempre pronta a resvalar para a asneira. Qualquer deslize e o “f” vira “fuck” e de “fuck” em “fuck” acaba por ficar tudo lixado. E, no entanto, as suas funções terapêuticas são reconhecidas por todos. Quem não gosta de desabafar com “f”? E o bem que isso nos faz? Uma letra escatológica que acaba no Fim.

9 comments:

Claire said...
This comment has been removed by the author.
Anonymous said...

Se não fosse ele, o nosso Fininho F, como serias tu assim tão Feliz?

Olha, a inexistência do F seria a inexistência da nossa Felicidade. Dizem que esta não existe, mas a gente sempre pode Fantasiar, imaginar que não há Fome e que tudo é Fartura.

Gosto dele. Tem a sua Fidalguia, o seu Fair play.

End (que o F não é sempre fim).

João Menéres said...

Há muitos problemas com o Futebol...

E a vida é um Fado...

Mas o F sexual compensa tudo !

Mais uma bela dissertação, Jorge !

Li Ferreira Nhan said...

É mesmo, o "F" é uma letra que evolui. Ótimo texto Jorge!

Essas pinceladas da Myra possuem uma síntese fantástica; simetria espelhada, economia na cor. Bárbara!

myra said...

jorge, "teu" abecedario é muito melhor que o meu!!! obrigada mil vezes.bjos

Eduardo P.L said...

FALOU.

Luis Bento said...

Excelente texto! De degrau em degrau um excelente domínio da narrativa. O texto "sobe, sobe, sobe" e desce abruptamente sobre o fim... Muito bom!

expressodalinha said...

Obrigado. Agora vem o G.

Mena G said...

F é uma letra f... E não me chame eu Filomena! :)
Excelentes as pinturas! Estou a gostar muito.