23.12.13

OPERAÇÃO CAÇÃO - XXVI

Michel fez o ponto de situação a Jean-Baptiste. “O atentado de Lagos correu muito bem. Atingimos todos os objectivos. O medo está lançado. Estamos, porém, com alguns problemas. Pensamos que Melzek não abandonou ainda Portugal, desobedecendo a todas as ordens que lhe demos. As nossas fontes internas da polícia dizem-nos que conseguiram apanhar o cartão de telemóvel que ele usou. Também parece que o explosivo para o próximo atentado a Granada ainda não saiu da China”. Jean-Baptiste, que se irritava com facilidade, quase ia agredindo Michel de raiva: “E dizes que correu bem. Olha se tivesse corrido mal. Porra! Merda! E que estás a fazer para resolver os assuntos?”. Michel encolheu-se um pouco, mas replicou em voz decidida: “Já temos um homem no terreno para liquidar Melzek. O cartão de telefone, mesmo que consigam recuperar os números, nunca nos vai identificar e sempre andam entretidos. Quanto ao atraso na entrega dos explosivos, o vendedor, o tal brasileiro, o Valdemar, garantiu-nos que serão entregues a tempo. Ele partiu para a China para resolver o assunto. Podes estar descansado”.
(Continua)

4 comments:

João Menéres said...

Se o Valdemar foi a pé, o Jean-Baptiste bem pode descansar sentado ou deitado...

daga said...

bem...lá se vai o Melzec...

Eduardo P.L. said...

Uma novela.... srsrs

myra said...

e que novela:)